Notícias

Bixarte é a campeã do 3º Festival de Música da Paraíba com a música ‘Cê não faz’

Foto: Thercles

Foto: Thercles

Com a canção ‘Cê não faz’, a cantora, compositora, poetisa e rapper  Bixarte foi a grande campeã da 3ª edição do Festival de Música da Paraíba. Ela recebeu o prêmio de R$ 10 mil referente ao primeiro lugar das mãos da presidente da Empresa Paraibana de Comunicação (EPC), a jornalista Naná Garcez.  Em segundo lugar ficou a música ‘Manifesto dos Cantos’, de Filosofino, que além dos R$ 5 mil, levou mais R$ 2 mil como prêmio de melhor intérprete. O terceiro lugar foi para a canção ‘A cor de Sivuca’, do compositor Wil.

Ao final da premiação, Bixarte voltou ao palco, ao lado da também cantora e rapper, A Fúria Negra, para o show da música campeã. Emocionada, ela ressaltou a importância da arte enquanto instrumento de luta, dando voz às questões raciais e LGBTQIA+.   Este ano, por medidas de prevenção contra a covid-19, o evento não contou com a presença física do público na plateia e foi transmitido ao vivo pela Rádio Tabajara (frequências FM 105,5 e AM 1.110), redes sociais da rádio e da Funesc. Os Vídeos dos três dias de festival continuam disponíveis no Facebook da Rádio Tabajara e no canal TV Funesc no Youtube (/funescpbgov).

Além das canções vencedoras, outras 11 finalistas foram apresentadas no palco do Teatro Paulo Pontes: Desafloro (Lucas Gaião); Mulher bicho solto (Luana Flores); Linha (Rhuan Pacheco); Na Kalunga (Marta Sanchis); Balada para adiar o fim do mundo (Guga Limeira e Ernani Sá); Seja (Wister); Fragmentos (Elon); Canção Selvagem (Beto Cajá / Rodolfo Lopes); Marte Aqui (Alcides Prazeres / Alexandre Eduardo); Desenredo (Tom Drummond / Leonam Braga); e Revoada dos Peixes (Samir).

A finalíssima aconteceu neste domingo, com transmissão ao vivo pela Tabajara FM e nas redes sociais da Funesc. O Festival de Música da Paraíba foi uma iniciativa do Governo do Estado, através da Empresa Paraibana de Comunicação - EPC, Secretaria Institucional de Comunicação (SECOM) e Fundação Espaço Cultural (FUNESC). A noite contou, ainda, com participação especial do maestro Lucas Carvalho, que tocou músicas do mestre Sivuca, homenageado da 3ª edição do evento.


A presidente da EPC, jornalista Naná Garcez destacou a participação e engajamento do público no evento por meio de redes sociais. Ela também mencionou q importância de Sivuca para a música brasileira e lembrou que o número de pessoas que acompanharam as transmissões ao vivo é três vezes maior que a capacidade do teatro (560 lugares), com uma média superior a 1,5 mil pessoas por noite.
 
O vice-presidente da Funesc, Pedro Santos agradeceu às equipes engajadas na realização do 3° Festival de Música da Paraíba e ressaltou a relevância de eventos dessa natureza em um momento de pandemia para movimentar a cultura e a arte paraibanas.
 
Jurados – Na primeira e segunda eliminatórias, realizadas na sexta e sábado (dias 4 e 5), o júri foi formado pelo músico e produtor Anderson Foca (RN), pelo poeta, letrista e professor de literatura Rogério Batalha (RJ) e o músico Salatiel de Camarão (PE).
Na etapa final, realizada no domingo (6), os finalistas tiveram que mostrar seu potencial diante de um júri composto por DJ Dolores, um sergipano naturalizado em Recife (PE); pela cantora, compositora e preparadora vocal Simona Talma (RN) e pelo cantor e compositor Sérgio Andrade (PE).