Notícias

Prazo de registro em cartório de músicas selecionadas termina terça-feira, dia 2

II FESTIVAL DE MÚSICA DA PARAÍBA

prazo, registro, cartório, músicas, música, selecionados, Festival, Paraíba

Artistas que tiveram suas canções selecionadas para o II Festival de Música da Paraíba têm até a próxima terça-feira, dia 2 (quando termina o prazo de 72 horas úteis), para enviar à organização do evento a letra da música registrada em cartório. Os selecionados também devem enviar – - confirmação do nome do intérprete, foto em boa resolução (para divulgação) e release de até 10 linhas do compositor e do intérprete (para divulgação). Essa exigência tem caráter eliminatório, conforme edital disponível no site do evento: www.festivaldemusica.pb.gov.br (clique aqui).


Após o recebimento dos itens acima, a comissão entrará em contato através de e-mail confirmando a participação e informando a cidade em que cada selecionado defenderá sua canção. Lembrando que o sorteio da ordem de participação nas eliminatórias acontecerá na próxima quarta-feira, dia 3, a partir das 14h, ao vivo, pela Rádio Tabajara FM, conforme consta no edital.


A comissão organizadora do II Festival de Música da Paraíba divulgou, na última quinta-feira, dia 28, a lista de selecionados para as duas eliminatórias do evento. A lista conta com 30 músicas selecionadas. Há, ainda, uma listagem com 10 canções na suplência. As eliminatórias serão nos municípios de Alagoa Grande (18 de maio) e Monteiro (25 de maio). Já a finalíssima ocorrerá em João Pessoa, no dia 31 de maio. A curadoria foi feita por Gabriel Murilo (de Minas Gerais), Flávio Abreu (de São Paulo) e Eron Quintiliano (do Rio Grande do Sul).


Serão pagos R$ 20 mil em prêmios, sendo R$ 10 mil para o primeiro colocado,  R$ 5 mil para o segundo, R$ 3 mil para o terceiro e R$ 2 mil para melhor intérprete. O festival é realizado pelo governo do Estado por meio da Empresa Paraibana de Comunicação (representada pela Rádio Tabajara), Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) e Secretaria de Estado da Comunicação (Secom).

Valorização - Em sua segunda edição, o festival mantém o objetivo de reconhecer e divulgar a música paraibana, descobrindo e valorizando artistas que vêm surgindo no cenário cultural. O evento surgiu da necessidade de um projeto para estimular e evidenciar a produção do Estado, dando voz a novos talentos e que não se restringisse à capital.


Na primeira edição, o festival homenageou a tocadora de pífanos Zabé da Loca, ícone da cultura popular paraibana. Foram recebidas mais de 300 inscrições, das quais 24 foram selecionadas para duas eliminatórias realizadas em Campina Grande e Cajazeiras. Desse total, sobraram 12 para a etapa final, que aconteceu em João Pessoa.
Com a canção ‘Imprópria’, o cantor e compositor Chico Limeira ficou com o prêmio de Melhor Intérprete e também faturou o primeiro lugar no Festival de Música da Paraíba. Tom Drummond levou o segundo lugar, com ‘Capitu’ e o quarteto Avuô ficou com a terceira colocação com ‘Sopro da Loca’. A noite terminou com show de Chico César.
Homenagem a Jackson do Pandeiro – Nesta edição de 2019, o Festival de Música da Paraíba homenageia o ‘Rei do Ritmo’. Paraibano de Alagoa Grande, Jackson do Pandeiro nasceu em 31 de agosto de 1919, no Engenho Tanques, com o nome de José Gomes Filho. Ele era filho de uma cantadora de coco, Flora Mourão. Através dela Jackson começou a tomar gosto pelo ritmo como tocador de zabumba. Após a morte do pai, José Gomes, no início dos anos 30, a família mudou-se para Campina Grande. A pé, Flora e três filhos: José (Jackson), Severina e João partiram para uma nova vida após quatro dias de viagem.


Em Campina Grande, teve diversos trabalhos e começou a prestar atenção nos cantadores de coco e violeiros das feiras. Foi lá que surgiu seu primeiro nome artístico, Jack, por influência dos filmes norte-americanos de faroeste a que assistia no cinema. Nos anos 40 transferiu-se para João Pessoa, onde tocou em cabarés e emissoras de rádio. Mais tarde foi para Recife, e foi lá, na Rádio Jornal do Comércio, que adotou definitivamente o nome Jackson do Pandeiro.


Em 1953 gravou seus primeiros sucessos: "Sebastiana" (Rosil Cavalcanti) e "Forró em Limoeiro" (Edgar Ferreira). Três anos depois casou-se com Almira, que se tornou sua parceira nas apresentações. No mesmo ano foram para o Rio de Janeiro, e Jackson foi contratado pela Rádio Nacional, onde foi um sucesso de público e crítica por sua maneira de cantar baiões, cocos, rojões, sambas e marchinhas de carnaval.


Sua influência é até hoje sentida em artistas que regravam as músicas que Jackson celebrizou, como "O Canto da Ema", gravada por Lenine, "Na Base da Chinela", por Elba Ramalho, "Lágrima", por Chico Buarque, ou "Um a Um", pelos Paralamas do Sucesso.


Compositor inspirado e instrumentista de raro talento, popularizou outros clássicos da música nordestina, como "Chiclete com Banana" (Gordurinha/ Almira Castilho), "Xote de Copacabana" (José Gomes), "17 na Corrente" (Edgar Ferreira/ Manoel Firmino Alves), "Como Tem Zé na Paraíba" (Manezinho Araújo/ Catulo de Paula), "Cantiga do Sapo", "A Mulher do Aníbal", "Ele Disse" (Edgar Ferreira) e "Forró em Caruaru" (Zé Dantas). Em 1998 foi o grande homenageado no 11º Prêmio Sharp de Música.

CURADORES


GABRIEL MURILO (MG)

Gabriel Murilo é músico, produtor cultural, ativista e pesquisador da música independente no Brasil. É mestre em Música e Cultura pela UFMG e já co-realizou ou participou de diversos projetos coletivos e colaborativos no campo da música em Belo Horizonte, em outras cidades brasileiras e em intercâmbios internacionais. Foi um dos coordenadores do Programa Música Minas, um fundo público para promoção, intercâmbio e turnês nacionais e internacionais. Como integrante fundador da Embaixada Cultural ele coordena residências artísticas internacionais no Brasil e exterior e dirige o encontro internacional "Música Mundo". Foi um dos integrantes do grupo cuiabano Macaco Bong e circulou por todo país promovendo um modelo autogestionado de carreira musical no Brasil.


FLÁVIO DE ABREU (SP)

Flávio de Abreu tem Bacharel em Administração de Empresas pela FGV/SP e mestrado pela Sciences-Po Paris. Já trabalhou para várias empresas multinacionais em diferentes áreas e realizou projetos em mais de 15 países da África, Médio Oriente, Europa e América do Sul . Desde 2006 Flávio está à frente da Scubidu Music, uma agência de música especializada em turnés internacionais, selo e gerenciamento de carreiras. Atualmente é empresário do lendário músico Hermeto Pascoal e da cantora e compositora Anelis Assumpção. Foi responsável pela produção e programação da Virada Cultural Paulista 2015.


ERON QUINTILIANO (RS)

Empreendedor, gestor, curador, consultor e produtor musical, iniciou sua carreira no mercado da música no ano de 2000, já realizou e produziu mais de 1.000 shows nacionais e internacionais, dentre diversas turnês na Europa com artistas brasileiros, como: Spok Frevo Orquestra, Marcelo D2, Cyro Baptista, Comunidade Nin Jitsu, entre outros. Foi o responsável pelo planejamento e a gestão da carreira de dezenas de artistas brasileiros e estrangeiros, e também pela gestão e execução de projetos inusitados como: “Especial MTV – Marcelo D2 na Casa da Música”, na cidade do Porto, Portugal no ano de 2006, Show e gravação do DVD “O Baú do Raul” 2014 (Som Livre) gravado na Fundição Progresso, Rio de Janeiro. Desde do ano de 2006, é presença constante nas principais feiras de música que acontecem na Europa e América do Sul, é o idealizador e diretor geral do MATE (Música, Arte, Tecnologia e Educação), feira de negócios e conferência que acontece em Porto Alegre (RS), e Gestor de Projetos na Matilha Cultural em São Paulo.


LISTA DE SELECIONADOS
(EM ORDEM ALFABÉTICA)

A VIDA É SONHO (JESSICA MARIA DE MELO ALMEIDA / ARI RODRIGUES)
AMOR DE CARNAVAL (JOÃO DE ARIMATEIA FARIAS DE MELO)
APNEIA (BRUNO RICARDO DE MELO BRAZ)
BAILE DE PANDEIRO (XISTO MEDEIROS DE SOUSA E ACILINO MADEIRA)
BALANÇANDO A FEIRA (RENAN FELIPE SANTOS REZENDE)
BRADOS DO GUERREIRO (JOSE ALBERTO BATISTA DA SILVA)
CALAMIDADE (WILLAMES DINIZ DA SILVA)
CARTA PRA MARIA (FRANCISCO AUGUSTO LIMEIRA SANTOS)
CLAREOU (JEANN DE OLIVEIRA MEDEIROS)
DESCOBERTA (LUCAS GAIAO)
DESENREDO (ANTONIO LUIZ DRUMMOND MIRANDA)
DIAGNÓSTICO (FABIO ANTONIO DE A SMITH / ROBERTO ARAUJO)
FLORESCER (TATHYANA MARTINS DO NASCIMENTO)
HISTÓRIA DE VIDA (JOSE WALDERUDSON RIBEIRO RODRIGUES)
MALDITO (CAIQUE FERREIRA)
MEU RECADO (WAGNER LUIZ DOS SANTOS MALTA)
MEUS IDEAIS (ALINE BEZERRA VIEIRA LEÃO VELOSO)
NO SEU LUGAR (LUCAS BARRETO DE MOURA E EVERTON AVELINO)
NORDESTE IMENSO (RAABE CATARINE ALMEIDA MAGALHAES)
O QUE VALE? (NELSON NUNES DE FARIAS FILHO)
PANDEIRO (YURI GONZAGA, ZÉ NETO E CARLOS HENRIQUE)
PARA ALÉM DOS PARACETAMÓIS (TIAGO SORRENTINO MOURA DE LIMA)
REMENDOS (RUANNA GONÇALVES DA SILVA)
TERRA A VISTA (YANCA DE MEDEIROS BEZERRA)
TIA CIATA (NARA LIMEIRA F. SANTOS)
TUDO QUE A ESTRADA DÁ (DANIELA SILVA DE REZENDE FERRAZ)
UM COCO PRA JACKSON (MIGUEL FERREIRA MONTEIRO)
UM SER MELHOR (MIRELLE DIAS CAVALCANTE DE OLIVEIRA)
VARAL DO BEM QUERER (RUY BATISTA DE AMORIM NETTO)
VOU DANADO PRA CAMPINA (MARCOS JOSE DOS SANTOS)

LISTA DE SUPLENTES
(EM ORDEM DE CLASSIFICAÇÃO)

01 - CANTO PROTETOR (TIAGO JOSÉ SANTOS DA SILVA)
02 - BRASIL COLÔMBIA (PEDRO FAISSAL GOMES)
03 - AGALOPADO CORAÇÃO (ELON DA SILVA BARBOSA DAMACENO)
04 - MINHA ALMA NORDESTINA (GUSTAVO HENRIQUE PINHO DE LIMA)
05 - TAPETE VERMELHO (BERTRAND B MORAIS /HUGO CÉSAR)
06 - MEIO UTÓPICO (VANILSON COSTA CAVALCANTE)
07 - LEI DA ATRAÇÃO (JEORGE HORA AMADO SEGUNDO)
08 - XIQUEXIQUE DO ZIMBAWBE (ILSOM CAVALCANTE DA SILVA BARROS, ALBERTO
ANTÔNIO DOS SANTOS, LAYLSON ISMAR DANTAS, LUCIANO RIBEIRO)
09 - JACKÇADA (AMILTON MARTINIANO DOS SANTOS)
10 - O AMOR É UMA ARMA QUENTE (OG LUDWING NÓBREGA / PAULO RAMON DE
SOUSA MONTEIRO / JOSÉ CASSIO DE OLIVEIRA)